Decorreu em Lisboa entre os dias 21 e 23 de março, nas instalações do Centro Cultural de Belém, a edição de 2018 da Cimeira Internacional sobre a Profissão Docente (ISTP2018). O evento, uma organização conjunta da DGAE, pelo Ministério da Educação, da OCDE e da Education International, contou com a presença de 21 delegações que fizeram deslocar à capital portuguesa cerca de 200 participantes, oriundos da Bélgica, Canadá, China, Dinamarca, Estónia, Finlândia, Geórgia, Alemanha, Hong Kong, Nova Zelândia, Noruega, Polónia, Federação Russa, Singapura, Suécia e Reino Unido (Inglaterra e Escócia), para além de delegações da Áustria, República Checa, Países Baixos e Eslovénia, que participaram nos trabalhos como observadores.

Desde a sua primeira edição em 2011 que a ISTP é encarada como uma oportunidade para promover o debate sobre as grandes tendências e desafios da política educativa a nível internacional e nacional, tendo em vista a melhoria do desempenho e dos resultados dos sistemas educativos e o desenvolvimento da profissionalidade docente. A cimeira é também uma ocasião única para a partilha de pontos de vista entre os responsáveis nacionais pelo sector da educação, os representantes das organizações sindicais e outros especialistas.

Desde cedo que a organização portuguesa da ISTP2018 entendeu que uma das melhores formas de apreciar e fomentar o sucesso do processo de ensino e da aprendizagem seria dar aos alunos a possibilidade de aplicarem os seus saberes e competências em contextos similares aos que irão experienciar na sua vida ativa. Assim, decidiu-se atribuir a alunos da Escola Profissional de Hotelaria e Turismo de Lisboa um papel central no que diz respeito à organização geral da cimeira e aos serviços prestados. Desde o acolhimento e receção de delegados no CCB, passando pelos momentos culturais e de convívio, pela confeção das ementas e do catering oferecidos no âmbito do programa oficial de três dias, os participantes foram assistidos e apoiados por alunos de vários percursos profissionais, sob a supervisão dos seus professores e tutores.

Mas a cimeira foi também momento de convívio e de contacto com a cultura portuguesa. Para tal contou a organização com a participação do grupo de Cante Alentejano “Bel’Aurora”, cuja deslocação a Lisboa teve o patrocínio da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, e com a atuação da fadista e estudante universitária Maria Simões Pedro, bem como dos alunos da Orquestra de Sopro do Agrupamento de Escolas de Vialonga e da Orquestra Juvenil do Agrupamento de Escolas António Sérgio.

 

Equipa de Projetos Internacionais e de Formação da DSGRHF