Na sequência da organização de um conjunto de sessões de trabalho (ST) destinadas a apoiar os docentes e acompanhantes internos do período probatório, deu-se sequência ao processo estendendo estas sessões ao conjunto dos avaliadores externos envolvidos no processo de avaliação de desempenho. Neste quadro, os elementos da EPIF (Equipa de Projetos Internacionais e de Formação) da Direção-Geral da Administração Escolar prepararam e dinamizaram a nível nacional um conjunto de Sessões Temáticas com a duração de um dia, envolvendo cerca de 470 avaliadores externos:

  • Coimbra: dia 7 de fevereiro, na Escola Secundária Avelar Brotero;
  • Porto: dias 8 e 9 de fevereiro, na Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico Garcia de Horta;
  • Lisboa: dia 15, 16 e 23 de fevereiro, na Escola Básica e Secundária Passos Manuel;
  • Évora: dia 20 de fevereiro, na Escola Secundária André de Gouveia.

Inicialmente previstas para apoiar os avaliadores externos envolvidos na avaliação da dimensão científica e pedagógica dos docentes em período probatório, estas ST foram alargadas a outros avaliadores externos que integram a respetiva bolsa nas diferentes Direções de Serviços Regionais de Educação do país, antecipando as necessidades de avaliação de observação de aulas no âmbito da avaliação do desempenho docente decorrentes do descongelamento da carreira.

As sessões de trabalho tiveram como principais objetivos: i. Clarificar as funções inerentes a cada um dos grupos de atores envolvidos no processo de avaliação do desempenho; ii. Favorecer a problematização e reflexão pedagógica sobre aquela problemática; iii. Incentivar o trabalho colaborativo entre os profissionais envolvidos no período probatório; iv. Discutir o processo de “observação de aulas” e de avaliação externa da dimensão científica e pedagógica; v. Promover uma leitura partilhada do quadro orientador, dos objetivos e procedimentos.

Analisaram-se e discutiram-se as finalidades do Período Probatório, o seu dispositivo de operacionalização com destaque para o plano individual de trabalho, as metodologias e práticas de observação de aulas e de registo de informação. No quadro da legislação em vigor, apresentou-se e discutiu-se ainda uma conceção de avaliação, tanto quanto possível sustentada no ciclo da supervisão orientada para o desenvolvimento profissional dos diferentes intervenientes.

As sessões decorreram num clima de trabalho aberto e participado, tendo obtido uma avaliação muito positiva por parte dos participantes, cumprindo assim genericamente os objetivos subjacentes à sua realização.