IGUANA é um projeto de investigação-ação, parcialmente financiado pela Comissão Europeia através do “Lifelong Learning Programme” [1], e desenvolvido, entre 2013 e 2015, por um vasto consórcio de universidades, centros de investigação, associações e empresas [2] . Ele centra-se nos objetivos de: (i) modernização da gestão de escolas e de agrupamentos escolares, (ii) preparação de lideranças ativamente comprometidas com processos de mudança incremental e/ou radical, (iii) redução das taxas de abandono escolar e aumento da eficácia educativa; (iv) abertura da escola ao mundo envolvente e à adoção de métodos e práticas inovadores, com envolvimento de agentes do universo empresarial.
A resistência à mudança, ou “imobilismo”, caracterizada como uma pessoa, uma família, uma organização ou um sistema social que persiste numa prática “ultrapassada” ou que reproduz “rotineiramente” um problema, não obstante reconhecer a necessidade premente de ser alterada a situação de bloqueio previamente diagnosticada, constitui uma séria questão que vem sendo objeto de aturada investigação [3] .

O IGUANA visa intervir junto de organizações sociais e educacionais que querem inovar, mas que se deparam com resistências à mudança, dificilmente superáveis. O projeto pretende ajudar essas organizações a desenvolver um ambiente aberto e criativo, onde alunos, professores, funcionários, gestores e líderes, se sintam seguros e estimulados para partilhar as suas ideias, aprender uns com os outros e crescer em conjunto, que são comummente consideradas condições limiares para ultrapassar o imobilismo e vencer a inércia perante o imperativo da mudança. Com estes objetivos em mente, o IGUANA atua em duas frentes conjugadas: Inteligência Emocional (IE) e Inteligência Organizacional (IO), visando aumentar e consolidar as competências operacionais em cada uma destas áreas fundamentais à Liderança Inovadora. Para o efeito, o Programa oferece um vasto conjunto de ferramentas online de entre as quais se destacam:

1. Dois conjuntos de materiais de autoavaliação para apoiar os estabelecimentos de ensino e as respetivas lideranças a avaliar as suas capacidades e competências ao nível da IE (12 vídeos/animações e 12 testes referentes a outras tantas competências diferentes) e IO (7 vídeos/animações e 7 testes referentes a competências organizacionais).

2. Uma larga gama de conteúdos de aprendizagem e de formação para apoiar as lideranças dos estabelecimentos de ensino a robustecer as suas competências de IE e IO e bem assim um conjunto de documentos de orientação metodológica no respeitante à capacitação em “teoria e prática da mudança organizacional”.

3. Um espaço “aberto” de aprendizagem que proporciona conteúdos avançados de aprendizagem – Práticos e Técnicos – desenhados para ajudar os estabelecimentos de ensino-formação, e as suas comunidades, a desenvolverem e aplicarem as competências de IE e IO. É igualmente facultado um espaço público para as escolas e os seus membros ativos partilharem os seus próprios conteúdos de aprendizagem com outras comunidades educativas, designadamente sob forma multimédia por forma a estimular o benchlearning.

Portal IGUANA (inglês): http://www.iguana-project.eu

Portal IGUANA (português): http://www.iguana-project.pt

 

Roberto Carneiro
(Artigo redigido para a Newsletter da DGAE)

 

[1] Projeto europeu aprovado sob o acrónimo IGUANA (Improving School Governance using an Action Learning Approach) e designado pela sigla 527856-LLP-1-2012-1-PT-COMENIUS-CMP

[2] CEPCEP, Universidade Católica Portuguesa, Portugal (coordenador); Arcola Research, Reino Unido; Menon Network, Bélgica; Ellinogermaniki Agogi, Grécia; Vilnius University Institute of Mathematics and Informatics, Lituânia; Trinity College, Irlanda; Contour Education Services, Reino Unido; e European School Heads Association, Países Baixos.

[3] Neumann, J., Kellner, K. &  Dawson-Shepherd, A. (ed.) (1997). Developing Organisational Consultancy, London: Routledge